Quero receber novidades, promoções, informações e artigos em meu e-mail:

Artigo publicado na Revista Banas Qualidade em outubro de 2012

Como selecionar projetos Lean Seis Sigma

 
Cristina Werkema
 
A seleção correta de projetos é um dos fatores primordiais para a garantia da sustentabilidade do Lean Seis Sigma nas organizações.
 
A definição dos projetos é uma das atividades mais importantes do processo de implementação do Lean Seis Sigma. Projetos bem selecionados conduzirão a resultados rápidos e significativos e, consequentemente, contribuirão para o sucesso e a consolidação do Lean Seis Sigma na empresa. Por outro lado, projetos inadequados implicarão em ausência ou atraso de resultados e frustração de todos os envolvidos, o que poderá determinar o fracasso do programa na organização.
 
As principais características que um bom projeto Lean Seis Sigma deve apresentar são:
1 – Forte contribuição para o alcance das metas estratégicas da empresa.
2 – Grande colaboração para o aumento da satisfação dos clientes/consumidores.
3 – Elevada chance de conclusão dentro do prazo estabelecido.
4 – Grande impacto para a melhoria da performance da organização (ganho mínimo de 50% em qualidade, ganho financeiro mínimo relevante para o porte e tipo de negócio da empresa, desenvolvimento de novos produtos ou novos processos, por exemplo).
5 – Quantificação precisa, por meio do emprego de métricas apropriadas, dos resultados que devem ser alcançados no projeto.
6 – Elevado patrocínio por parte da alta administração da empresa e dos demais gestores envolvidos.
 
Durante a fase de treinamento, o desempenho do candidato a Black Belt ou a Green Belt no desenvolvimento desses projetos será avaliado para balizar a decisão quanto à certificação, ou não, de cada candidato.
 
Os potenciais projetos Lean Seis Sigma podem ser obtidos através das seguintes fontes:
1 – Indicadores referentes a desperdícios, tais como índices de refugo e retrabalho (hidden factory), e índices de produtividade.
2 – Problemas referentes à qualidade dos produtos.
3 – Custos que exercem um alto impacto no orçamento da empresa.
4 – Reclamações, sugestões e resultados de pesquisas realizadas junto a clientes/consumidores.
5 – Reclamações, sugestões e resultados de pesquisas realizadas junto aos empregados da empresa.
6 – Resultados de estudos de benchmarking.
7 – Resultados de pesquisas sobre tendências de mercado e estratégias ou habilidades dos concorrentes.
8 – Extensões de projetos em andamento.
9 – Oportunidades para melhoria de produtos ou processos com elevado volume de produção, para os quais pequenas melhorias implicam expressivos ganhos financeiros.
10 – Oportunidades identificadas a partir do uso do Mapeamento do Fluxo de Valor (Value Stream Mapping – VSM).
 
O erro mais frequentemente cometido na seleção de projetos consiste na escolha de um problema muito complexo como um único projeto Lean Seis Sigma, que é alocado a uma única equipe.
 
Um projeto Lean Seis Sigma deve ter complexidade suficiente para que seja significativo para a empresa, mas não deve ser tão complexo que não possa ser concluído em um período de quatro a seis meses (Green Belt) ou de cinco a oito meses (Black Belt). Se, no estágio inicial de desenvolvimento, o projeto se mostrar muito amplo (ou muito simples), o escopo do trabalho deverá ser imediatamente alterado. Um projeto muito amplo poderá ser desdobrado em diversos projetos menores, que poderão ser desenvolvidos por outros candidatos a Black ou Green Belts.
 
Ou seja, é importante estabelecer metas ambiciosas, mas atingíveis, para os projetos Seis Sigma. Se as metas forem extremamente agressivas, as equipes tenderão a pular etapas do método na tentativa de atingir o resultado no prazo estabelecido, o que poderá comprometer o sucesso do projeto.
 
Para finalizar, ressaltamos que o objetivo de se alcançarem elevados ganhos financeiros por meio dos projetos é muito positivo, mas também é importante que a empresa perceba que o retorno financeiro a curto prazo é apenas uma parte dos ganhos resultantes do Lean Seis Sigma. Projetos que resultem em conhecimentos para o fortalecimento da competitividade da organização e de sua imagem no mercado podem ter retorno financeiro mais demorado, mas são extremamente importantes sob o ponto de vista estratégico e também devem ser valorizados.

Artigo publicado na Revista Banas Qualidade em outubro de 2012
Artigo publicado na Revista Banas Qualidade em agosto de 2012

© Werkema EditoraBelo Horizonte | 31 3643 3090